segunda-feira, 30 de março de 2009

EDITORIAL


LUTEMOS

Muito se têm falado e escrito sobre a nova lei que regulamenta a pesca lúdica em Portugal. Neste debate de ideias e depois de muito ler o que tem sido escrito sobre esta matéria verifico que continua a não existir qualquer consenso sobre a mesma. Isto leva-me a perguntar: Será que não chegou a hora de deixarmos de olhar para os nossos próprios interesses pessoais, e passarmos
a olhar para um todo conjunto de medidas que defendam os verdadeiros interesses dos milhares de pescadores lúdicos que existem em Portugal? Sou apologista da criação de leis que defendam verdadeiramente o espírito da pesca desportiva, o defeso para as espécies, as medidas mínimas, zonas protegidas onde a fauna marítima se possa desenvolver. Sou contra a chamada pesca lúdica em que o único objectivo é apanhar o peixe para a venda em restaurantes, os falsos amadores que o são unicamente para fugirem ao pagamento de impostos (quem como eu pesca unicamente pelo prazer sabe que é verdade), a pesca do arrasto e qualquer outro tipo de pesca profissional junto à costa à distancia não regulamentar.
Porque será que os barcos que já são equipados com meios de grande precisão podem utilizar engodos na chamada pesca turística enquanto eu e milhares de pescadores de todo o País, nos interrogamos porque não o podemos fazer.
Poderia ainda assumir outros aspectos ,porém…exijo já que pago os meus impostos,e a
licença para poder praticar aquilo que gosto ser tratado como português e nunca como português de segunda por pessoas sem o mínimo conhecimento que se limitam unicamente a dilapidar o erário publico
Pesco pelo prazer e era esse prazer que gostaria que os meus netos um dia tivessem, e que descobrissem por eles próprios o viciante e relaxante que é a pesca desportiva.
Pela PESCA LUDICA / DESPORTIVA pela defesa do MEIO AMBIENTE por um PAÍS MAIS JUSTO onde todos sintam orgulho em ser PORTUGUÊS
JTCordeiro

sábado, 28 de março de 2009

CHOCO


Espécie muito procurada este molusco é alvo de uma pesca relativamente fácil ,normalmente pesca-se com o chamado palhaço pois é predador nato de pequenos peixes.
Sendo eu um novato neste tipo de pesca para a qual fui convidado pelo o meu amigo Melo logo na 1ª vez fui como se chama na giria batizado com um banho de tinta na qual houve uma gargalhada pegada

SALEMAS


É um peixe muito lutador que proporciona grandes momentos de pesca, tem um corpo esguio e uma boca com uma dentição muito afiada,existem na nossa costa praticamente todo o ano é muito comum encontrá-las em cardumes mordiscando os limos , na pesca desportiva é um peixe muito importante e que grande prazer nos dá ao pescá-lo debatendo-se ferozmente.
Tanto se pesca iscando com algas como tambem ataca a gamba e a sardinha.

sábado, 7 de março de 2009

CARAPAUS


É um peixe fácil de atrair com um pouco de engodo, tanto na pesca de costa como de barco, podendo ser pescado tanto com iscos naturais como com iscos artificiais. As instalações portuárias e os molhes adjacentes são locais habitualmente muito frequentados por pescadores, utilizando todo o tipo de técnicas de pesca. Neste caso, o melhor período é o nocturno. A iluminação instalada nestas áreas atrai o zooplancton e os carapaus, fazendo com que eles, quer pela acção directa da luz quer pela presença da comedia, não abandonem a zona.Contudo, é conveniente utilizarem-se iscos resistentes como as pontas dos tentáculos das lulas, que melhor resistem aos ataques dos carapaus, evitando que após cada captura se volte a iscar o anzol. Esta técnica de pesca tem um apreciável número de aficcionados que, nas quentes noites de verão, não perdem o ensejo de desfrutar de um bom convívio com outros pescadores e de fazer uma noitada aos carapaus que tão saborosos serão no almoço do dia seguinte.
A.Sebastião

SAFIAS

Diplodus vulgaris
As safias também conhecidas por rossadas, encostam à costa no final de Abril até meados do Novembro, afastando-se com a chegada do Inverno para os fundões devido a mares bravos e à temperatura da água ser mais fria. Este peixe da família Sparidae a que o sargo também pertence, tem com ele grandes semelhanças e comportamentos quase idênticos, pois gostam de fundos rochosos e partilham o mesmo habitat, alimentando-se junto a pedras com mexilhão, e ouriços Preferem profundidade superior a 3 metros em que a cor da água seja limpa ou azul, gostam também de mares mansos onde faça água branca junto à pedra, não em excesso, pois é com a pequena subida e descida das vagas que aproveitam a força impulsionadora desta para arrancarem pequenos mexilhões . Por outro lado também o mar ao remexer um pouco o fundo desloca pequenos crustáceos e minhocas, como por exemplo a camarinha e a tiagem, minhoca esta que vive na areia. Dando estes exemplos os pescadores com mares mansos devem escolher pesqueiros onde faça feição.
A.Sebastião

PENICHE


Esperando pela comida
A.Sebastião

PENICHE


Um autentico paraiso de pesca
A.Sebastião

TAINHA


A tainha e o garrento são das muitas espécies de tainhas as mais comuns na nossa costa, peixes bastante desconfiados uns excelentes nadadores com uma visão bastante apurada que comem por sucção daí as ferragens serem tão difíceis.
São dos peixes que mais contribuem para o aperfeiçoamento técnico em acção de pesca, daí o material a usar deve ser o mais ligeiro e ultra fino, para que sejamos bem sucedidos.
Um peixe que se alimenta de ovos de outros peixes, pequenos animais marinhos e fitoplâncton que são algas microscópicas em suspensão.
Vem daí o gosto da nadar à superfície e à meia água à procura de alimento.

A.Sebastião

FEIRA PESCA E NAUTICA DE SETUBAL

Mais uma vez e com todo o gosto aqui deixo o cartaz da feira náutica de Setúbal a qual aconselho uma visita tanto para tomarem conhecimento ...