sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Regresso á luta



O que não se deve fazer

Com o fim do periodo de férias e da época balnear o bichinho começa a roer por dentro,os desejos de pescar são imensos nem toda a gente sabe o prazer que é estar junto ao mar ouvindo o murmurar das ondas,sentindo aquele aroma proprio,sentindo a adrenalina que é muitas vezes a luta contra os próprios elementos.
Está na hora de passar em revista todo o material que durante quase 3 meses esteve parado,fazer as ultimas afinações,consultar as novas novidades de fios anzois boias pois as grandes jornadas se aproximam rapidamente e para mim em que as férias piscatórias estão bem perto (28 Set A 22 Out ).
Vêm a propósito estas linhas pois não estava á espera do convite que o meu amigo Malpique fez para o acompanhar até ao Guincho para uma pescaria aos sargos.Mesmo trabalhando toda a noite e sabendo que na noite seguinte voltaria a trabalhar não quiz recusar o convite mesmo que sabendo que fisicamente e mentalmente nao estaria nas melhores condições,mas como não digo não a um amigo lá fomos.
Chegados ao pesqueiro logo constatámos que o vento estava um pouco forte não nos deixando pescar ali,resolvendo por isso procurarmos um local que nos desse as minimas condiçoes de pescar.
Ao montar a cana começo logo por reparar que na pressa de colocar as coisas no saco tinha errado no material que tinha escolhido,a bobine de fio que estava no carreto (0,20)nao estava nas melhores condiçoes,por sorte a outra bonine com (0,18) estava nova,reparo tambem que o drague do carreto estava um pouco preso(felizmente as chaves e o lubrificante estavam dentro do saco desde Junho)e só depois é que lembrei-me que na ultima vez que tinha ido á pesca com aquela cana e com aquele carreto ,a mesma tinha ficado esquecida e nem lavado o material tinha sido.
Quando acabei de pôr o material mais ao menos eficaz já o meu camarada tinha tirado alguns sarguitos e fiz-me á luta.
É nestas alturas que vemos o que a paragem durante o verão causou (senti logo que não tinha mão) e que o tempo de ferragem estava muito alem do desejado acabando por perder alguns peixes,com o passar do tempo fui ganhando confiança fazendo alguns peixitos e perdendo alguns de bom porte mas mesmo assim sairam 3 á volta das 700 gramas alem de outros mais miudos de algumas tainhas e salemas que foram devolvidas ao mar.
Mesmo a cabeça nao estando a pensar corretamente e o cansaço ser evidente acabou por ser um dia bem passado.
Claro está ao chegar a casa em vez de ir dormir um pouco pois tinha mais uma noite de trabalho pela frente resolvi sim ir tratar do material e passar em revista ao outro que estava guardado para não voltarem a acontecer outros dissabores como este

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS PARGOS ADORARAM

Uma isca de excelência para um peixe de excelência ,os pargos chamaram-lhe um pitéu